quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Uma Noite com Maria Teresa Dzukuta

A maior covardia de um homem

é despertar o amor de uma mulher

sem ter a intenção de amá-la.

Bob Marley

Matola, 17 de Fevereiro de 2010

Querida amada,

O 14 de Fevereiro me deprime!

Me pedes a verdade como se eu a te pudesse dizer.

Podia deixar as horas correrem, te falar do pânico que se reinstala sempre que os telejornais recuperam as notícias de polícias assassinados. Não importam as causas, diria a minha mãe com o rosto espantado e as mãos na cabeça como se a temer pela sua própria segurança: “se matam polícias o que será de nós?”

Mas não é isso que te preocupa.

O Estado pode ser assassinado isso não te diz nada. Me olhas como se fosse eu culpado pela morte de Michael Jackson e me acusas de ter assassinado o teu estado emocional. Me perguntas sem nenhuma compaixão pelo desgaste físico e financeiro que passei na noite de 14 de Fevereiro. A tua única preocupação é saber onde estava, com quem a fazer o quê e como!

Sinto egoísmo da sua parte. É como se eu fosse tua propriedade privada, teu homem de estimação que as outras não podem tocar nem por um segundo.

Me desgosta o teu interrogatório. Não porque não o podes fazer, mas porque não te posso responder.

Te digo que fui aos copos com os meus novos amigos de infância e nos perdemos no tempo falando daquilo que podia ter sido a nossa história se tivéssemos nascido e crescido no mesmo bairro.

Me olhas com o mesmo desprezo de uma serpente desesperada. “Onde estiveste?”

Não te posso dizer! Como dizer?

Uso a arma dos fracos para poder me defender dos teus ataques fulminantes. Grito e exponho minha força física para me acobardar, e te lembro que estou cansado!

Me perdi na noite deste 14 de Fevereiro num bar da esquina onde Maria Teresa Dzukuta ao ritmo de cada copo de cerveja, pisca o olho para quem paga mais como nos concursos das operadoras celulares, nos quais que ganha quem mais mensagens enviar.

Lá, como diria Manuel Bandeira, mesmo não sendo Pasárgada, há muitas prostitutas bonitas para namorar. Deixam-se aos montes e fazem a mesma promoção de tomate no mercado. Prometem bassela e noite inesquecível.

Olha meu amor. Consegues imaginar como ficam os lábios prostitutos de Maria Teresa quando te promete uma noite inesquecível?

Me perdi nessa sensualidade selvagem e as minhas mãos soltaram-se para deslizarem nos meus bolsos e tirarem as notas enquanto gritavam em voz alta para todos me ouvirem dizer para Paito, servente do bar, “fique com os trocos”!

Maria Teresa dzukutava para mim, mesmo quando aparecia por engano uma música de Aretha-Franklin. É como se a sua existência existisse apenas de cintura para baixo. E é por ai onde também me fixava.

É verdade amor, fugi dos jantares a dois a luz de vela numa mesa onde o som chega de fininho, como se estivéssemos nos tempos em que devíamos ter medo que alguém se apercebesse que ouvíamos músicas revolucionárias.

Dizes que é romântico?

Romântico?!

É tedioso meu amor!

Por isso que os 14 de Fevereiro me deprimem.

Lá na Maria Teresa falamos em voz alta e soltamos palavrões sem nenhuma preocupação em sermos educados. Dançamos sem nos preocuparmos em acertar o passo, bebemos sem nos preocuparmos com a quantidade, fazemos amor sem nos preocuparmos com preliminares.

Somos nós mesmos, percebes meu amor?

Mas como te dizer isso?!

Me deixe ver telejornal.

Dois polícias são assassinados. Clic!

Bairros da Matola estão há meses sem água. Clic!

9 comentários:

aminhavozz disse...

Adorei!!!

PC Mapengo disse...

Ola Z
A ideia era simp0lesmente fugir do normal. ainda bem que adoraste

Ximbitane disse...

Nota 20! Pena é que nenhum(a) amor(a) perdoa o pecado desse beijo insano

Jorge Saiete disse...

Mapengo,
Também acho melhor ver telejornal que tentar responder o irespondivel (?).

"Lá na Maria Teresa falamos em voz alta e soltamos palavrões sem nenhuma preocupação em sermos educados. Dançamos sem nos preocuparmos em acertar o passo, bebemos sem nos preocuparmos com a quantidade, fazemos amor sem nos preocuparmos com preliminares"

Já viste como é fácil a vida na Maria Teresa?

PC Mapengo disse...

Ximbi, minha mana
Por essa razão que não se pode responder a todas as perguntas. Como dizer a um amor que se esteve na Maria Teresa. Hehehehe

Saete
Todos sabemos que é fácil, pena é não se poder assumir.

Julio Mutisse disse...

Miúdo (só eu o chamo assim), quando escreveste "Promessas Por Não Cumprir" disse te que me lembrava "Amor, I love you". Aqui volto para esse texto também. Fico com receio de o 14/02 ser te realmente deprimente e parte desta narrativa ser autobiográfica hehehehe (não estou a falar da Maria Teresa és romântico demais para isso).

Mas também detesto interrogatórios. esta carta vai ao livro também.

PC Mapengo disse...

Julio
meu mano.
Não sei se essa parte de "autobiográfica" não seja provocação.
Vai para o livro sim

arsénia disse...

lindo e é a tua cara. parece-me que Maria Tereza é sinónimo de verdadeira "Liberdade".

Zancottentura disse...

Lindo. lindo... lindíssimo

Que palavras que combinam de forma linda uma noite que nos cânones ortodoxos seria classificada de pecaminosa, desonesta, repugnante, mas que acredito que ninguém senão 'ela' não a perdoria por este 14 de Fevereiro boémio.

Azancoth Ventura